Metáforas: o criador nos ossos da criatura?

O que tricotar nos diz sobre a aprendizagem móvel?
https://cogdog.github.io/edtechaphors/

Segundo George Lakoff e Mark Johnson em Metáforas da Vida Cotidiana, metáforas são mapeamentos que conectam um domínio fonte a um domínio alvo: por exemplo, uma metáfora conhecida na área da Educação é a da “educação bancária”, que associa o processo de ensinar (domínio alvo) ao ato de fazer um depósito bancário (domínio fonte). Meu projeto de pesquisa atual utiliza essa noção como um de seus eixos teóricos fundantes, pois, nessa concepção, metáforas têm múltiplas implicações (epistemológicas, ontológicas e políticas), ou seja, não são meros ornamentos.

Em nosso (grupo de autores – não é o detestável “nós da majestade”) artigo Metaphors we’re colonised by? The case of data-driven technologies in Brazil (clique aqui para baixar uma e-print gratuita – ainda há – ou aqui para baixar um pre-print), discutimos algumas metáforas da EdTech (Big Data, especificamente), concluindo o texto com a ideia de que, se Borges estiver certo em sua sugestão que a história universal seria a história de diferentes formas tomadas por algumas metáforas, precisamos resgatar ou criar outras metáforas, distintas das que identificamos em associação à temática do estudo.

Eis que, coincidentemente, Martin Weller, meu colega de tempos da Open University, criou e instalou recentemente em seu blog um gerador de metáforas para a EdTech! A princípio, pensei que se tratava de uma iniciativa de crowdsourcing (que daria um belíssimo projeto), mas não: é o app que sugere aleatoriamente mapeamentos entre um domínio fonte e um domínio alvo. Uma segunda versão do app está aqui e comentada aqui.

Como o código do app é curto e simples, é bem fácil ver com clareza como as escolhas do programador estão embutidas no algoritmo – essa não é uma ideia fácil de discutir com pessoas que nunca tiveram qualquer experiência de programação, e um exemplo “tangível” ajuda. O fragmento de print de tela abaixo mostra o trecho onde o programa define as opções: como domínios alvo, rótulos da EdTech (learning analytics, VLE, blockchain, etc.); como domínios fonte, ideias, coisas e atividades (preparar um bolo, uma planta, correr uma maratona, etc.).

Código completo aqui

As opções de domínio fonte, especificamente, sugerem interesses do programador (ao menos, estão em seu radar) – poderiam ser outras inteiramente diferentes (talvez eu usasse categorias relacionas a música, lugares, enfim, coisas que me interessam). As opções do domínio alvo, as categorias da EdTech, também poderiam ser outras – minimamente, a lista poderia ser ampliada.

Nesse caso, não fica bem visível o criador nos ossos da criatura?

Existem muitas outras metáforas no universo da computação – a começar pelas ideias de “área de trabalho”, “pastas”, “arquivos”, só para mencionar as mais comuns e já inteiramente naturalizadas. É sempre interessante desnaturalizá-las e, nesse sentido, a brincadeira de Martin, ao conectar domínios tão distintos, permite destacar sua natureza arbitrária e nada universal: metáforas revelam especificidades de um contexto enquanto tendem a se disseminar e enquadrar nossas formas de perceber e pensar em outros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s